Inicio » , , , » EUA: Monument Valley, o eterno cenário dos filmes de Velho Oeste

EUA: Monument Valley, o eterno cenário dos filmes de Velho Oeste

O cenário de monumentos naturais exóticos na terra árida do Arizona


Localizado em reserva dos índios Navajos no ponto de divisa de quatro Estados (Utah, Colorado, Novo México e Arizona), o Monument Valley é um dos lugares mais famosos dos EUA, principalmente por ter sido cenário de vários filmes de Hollywood, em sua maioria, os filmes de cowboy. Na minha opinião, é um dos lugares mais fotogênicos do país.


COMO CHEGAR?

Segui por 202km (126 milhas) desde Horseshoe Bend e 2 horas depois eu chegaria na entrada do Monument Valley. O acesso é feito pela rodovia US-163, veja no Google Maps. Durante toda a road trip usei o App Google Maps do smartphone com o GPS da rede de dados do Easysim4u para me orientar. Não é parque nacional, é um parque tribal, ou seja, não vale o American the Beauty Annual Pass (passe único para acessar os parques nacionais americanos). A entrada custava 10 USD (pessoa) ou 20 USD (carro), em julho de 2018. Junto com o ingresso o visitante ganha um mapa do parque.

Em frente ao centro de visitantes tem um belo mirante do vale


Logo na entrada há um hotel, mais a frente fica uma área de RV Parking (para motorhome) e um centro de visitantes. Dentro do centro de visitantes há um pequeno museu, banheiro, bebedouro e uma lojinha de souvenires. Os produtos tem um imposto "indígena" que eu achei caro. Um imã de 4 USD saiu por 5 USD com o imposto.


MONUMENT VALLEY

 O Monument Valley (Vale dos Monumentos, se traduzido) possui cerca de 7 milhões de hectares de terras pertencentes à tribo Navajo e é formado de exóticas e imensas pedras de arenito cujas formas são chamadas de "buttes"(mais altas) ou "mesas"(mais largas). São frutos da ação da erosão causada pela água e pelo vento ao longo de milhões de anos.

Mitten Buttes (esquerda e centro) e o Merrick Butte (a direita)


O índio Gerônimo foi personagem histórico que lutou pelas terras dos antepassados


O circuito completo pelo interior do parque, chamado Valley Drive, é de 27 km por uma via não asfaltada, mas acessível com qualquer carro. Caso você tenha tempo sobrando pode dirigir por tudo, mas se quiser ver apenas o principal, basta conhecer o caminho até o John Ford Point, parando nos mirantes do caminho que são os melhores do parque. As principais formações rochosas são vistas na seguinte ordem: 1) Mitten Buttes e Merrick Butte; 2) Elephant Butte; 3) Three Sisters e 4) The Thumb.

Cara a cara com o icônico West Mitten Butte


Um cenário desértico mas sensacional


Em outro mirante pode se observar as "três irmãs" ao longe


JOHN FORD POINT

Este é um dos mirantes mais emblemáticos do Monument Valley e que já foi usado como cenário de filmes clássicos de Velho Oeste, com destaque para aqueles do cineastra John Ford, famoso por popularizar o gênero Western. Um filme dele produzido naquele local foi Stagecoach, estrelado por John Wayne (1939). É o melhor local para fotos, mas é necessário ter paciência pois é cheio de turistas. A dica que dou é procurar também outros ângulos menos frequentados no local.

Outro mirante, menos turístico, perto do estacionamento


O mirante mais fotogênico foi batizado em homenagem ao cineastra John Ford


É como estar dentro de um filme de Velho Oeste


FORREST GUMP POINT

Outro cenário hollywoodiano clássico é o Forrest Gump Point. No filme, depois de correr por 3 anos, o personagem Forrest Gump parou neste ponto. Este famoso mirante não fica dentro do parque, mas a 10 km do Monument Valley, na estrada que liga às cidades de Bluff / Mexican Hat. Ao sair do parque, siga para o norte pela US-163, em uma subida está um dos pontos mais famosos e fotografados dos EUA. 

O icônico caminho para o Monument Valley


COM DESTINO AO UTAH

Seguindo ao norte pela US-163, passei pela pequena cidade de Mexican Hat (chapéu mexicano, se traduzido) que possui uma formação rochosa que lembra os chapéus desse estilo. Um pouco depois de passar por ali, entrei à esquerda na estrada 261. O asfalto acabou e comecei a subir uma elevação por uma estrada estreita e pouco movimentada. A vista lá de cima era sensacional, mas eu não pude parar pois tinha que chegar no meu próximo destino antes de anoitecer.

A estreita estrada de terra na subida da elevação


A estrada corta as terras altas e permite uma bela vista do vale


NATURAL BRIDGES NATIONAL MONUMENT

Desde o Monument Valley, percorri 117 km (73 milhas) por 1h40min até chegar no Natural Bridges National Monument. Já eram 18h00 e o centro de visitantes do parque só funciona de 9h às 17h. Apesar de anunciar uma taxa de entrada de 15 USD (por carro), para minha surpresa o acesso foi livre após o horário de fechamento do centro de visitantes e consegui fazer o circuito (já anoitecendo)  de 15 km asfaltados pelos principais mirantes das pontes naturais formadas pela erosão: 1) Sipapu Bridge; 2) Kachina Bridge e Owachomo Bridge. É possível visitar de perto, fazendo trilhas sinalizadas, mas não tive tempo.

Mirante da Sipapu Bridge


Anoiteceu e continuei pela estrada em direção ao norte por mais 170 km (104 milhas) até a cidade de Hanksville. Mais de duas horas depois e parando para descansar pelo caminho com muito sono, cheguei na cidade e parei o carro num lugar seguro para dormir no pouco tempo que me restava aquela noite. Também existem motéis para pernoite lá (os motéis americanos são como hotéis de beira de estrada), mas todos estavam fechados. O dia seguinte seria o mais desafiador.


MEU ROTEIRO

Anterior: HORSESHOE BEND

Roteiro completo: MISSÃO OESTE AMERICANO

Próximo: 127 HORAS


Siga A Mochila e o Mundo:





Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Reservas na Asia

trazy.com

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Clique aqui para seguir no

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Leia Também

Viagens pelo Mundo

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 36 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações