Inicio » , , , , , » Chapada das Mesas: Dicas e custos para planejar a viagem

Chapada das Mesas: Dicas e custos para planejar a viagem

Informações úteis e dicas exclusivas para ajudar no planejamento


A Chapada das Mesas é uma região no sul do Maranhão com grandes formações rochosas de arenito que tiveram suas superfícies planificadas pela erosão, a maioria delas lembrando o formato de mesas, por isso o seu nome. Em 2005, foi criado o Parque Nacional da Chapada das Mesas para sua preservação, porém a maior parte das cachoeiras ainda se encontra em terras particulares e são cobradas taxas para o acesso. A beleza da natureza da região torna a Chapada das Mesas um dos melhores destinos do ecoturismo nacional.

A Chapada das Mesas é um destino imperdível para quem gosta de contato com natureza


O QUE LEVAR?

Como eu precisei pegar um avião para chegar na Chapada das Mesas, evitei levar muita coisa para não ter que despachar bagagem e economizar. Neste caso, eu não pude carregar barraca de camping na bagagem de mão pois costuma ser proibido embarcar com as varetas e estacas. Aqui está um check list do que eu levei na mochila:

Roupa de banho, máscara e snorkel, toalha de ciclista, poncho, GPS, 2 pilhas, lanterna, pilhas para a lanterna, GoPro, drone, celular, power bank, cabos USB, tripé pequeno, talheres de plástico, escovinha de roupa, retinida (cordinhas), saco plástico de gelo para impermeabilizar a roupa, saco para roupa suja, camisa (2), camiseta regata (2), bermuda (2), meias (2), cuecas (9), chinelos, chapéu, barras de proteína, filtro portátil, óculos escuros, Hipoglós, protetor solar, caneta, kit primeiros socorros (esparadrapo, gaze, dipirona) e kit higiene (sabonete, shampoo, pasta e escova de dentes, desodorante, talco anticéptico, etc.)

Para quem não acredita, eu viajo só com essa mochila e cabe tudo


COMO CHEGAR?

Talvez o único problema da Chapadas das Mesas seja a localização isolada, pois a região fica bem distante dos aeroportos das capitais mais próximas: Palmas-TO (500 km), Teresina-PI (790 km) e São Luís-MA (840 km). Por outro lado isso ajuda a preservar a natureza longe das massas turísticas que costumam invadir, por exemplo, a Chapada dos Veadeiros ou o Jalapão. O aeroporto mais próximo operado pelas empresas aéreas fica na cidade de Imperatriz-MA, cerca de 200 km da Chapada das Mesas. Outra opção é o aeroporto da cidade de Araguaína-TO, porém com menos vôos comerciais.

Chegada no aeroporte de Imperatriz-MA


Peguei um vôo da LATAM que saiu do Aeroporto do Galeão (GIG) com conexão em Brasília (BSB) para chegar em Imperatriz por volta das 10h00. Minha opção para chegar na Chapada foi alugar um carro na empresa Alamo.

Mapa da região que engloba a Chapada das Mesas


10 DICAS E INFORMAÇÕES ÚTEIS

1) MELHOR ÉPOCA - Dizem que o melhor período para visitar a Chapada das Mesas é entre os meses junho e dezembro pois não chove tanto. Na minha opinião, não chover não é vantagem pois as cachoeiras não ficam tão impressionantes quanto nos meses de verão. Ou seja, o ano todo é favorável para visitar a Chapada das Mesas, cada qual com suas características. Fui no final de dezembro e gostei bastante, principalmente pelo microclima (explico abaixo) que não impediu meus passeios pela região. Para quem busca eventos culturais, em julho acontecem as festas do Bumba-Meu-Boi e a do Menino Jesus de Praga.

Gráfico das médias mensais de chuva em Carolina-MA (fonte: Climatempo)


2) CLIMA - Uma característica da região é o microclima, ou seja, as condições atmosféricas diferem em áreas relativamente pequenas. Por exemplo, um dia percebi que havia previsão de tempestade na cidade de Carolina, mas nas regiões rurais estava fazendo sol. Da mesma forma, o clima pode mudar repentinamente, com chuvas isoladas. Isso é bom porque se tiver sorte, basta esperar a chuva passar. Uma cautela que se deve ter é com os raios que incidem bastante na região, principalmente no topo das formações rochosas. Eu soube que em janeiro de 2019 um raio atingiu um grupo no alto do Morro do Chapéu e o guia foi arremessado e acabou morrendo com a queda. Portanto, evite ficar no alto das rochas enquanto a tempestade se aproxima (normalmente nas tardes de verão).

Apesar da previsão de chuva na cidade, ao pegar a estrada estava tudo seco


3) TRANSPORTE - Para quem vem de longe, o ponto de partida costuma ser a cidade de Imperatriz-MA. Se a chegada for no aeroporto, existem 2 opções: alugar um carro ou seguir para a rodoviária para pegar um ônibus.

Carro: A melhor opção é alugar um carro e seguir por quase 200 km (2h30) até a região da Chapada. Todas as principais atrações são acessíveis por carro de passeio, exceto as Cachoeiras de São Romão e da Prata (neste caso é necessário alugar um 4x4 ou contratar guia com 4x4). O deslocamento entre Imperatriz x Carolina x Riachão é feito pela famosa rodovia Transamazônica (BR-230) que em sua totalidade se encontra bem asfaltada e sinalizada, exceto em trechos na saída de Imperatriz e entre Itapecuru e Riachão com buracos devido ao trânsito intenso de carretas de carga.

Ônibus: A empresa que faz o trajeto Imperatriz x Carolina é a JR 4000 diariamente às 6h, 10h e às 16h30, com duração aproximada de 3h30 pois o ônibus faz algumas paradas para deixar e pegar passageiros. Na volta de Carolina para Imperatriz, pode-se pedir ao motorista para desembarcar próximo ao aeroporto pois ele passa em frente à entrada (10 min de caminhada).

A estrada é boa, exceto pelos buracos na saída de Imperatriz e Riachão


4) HOSPEDAGEM - O camping é uma opção, mas como falei acima, existe a dificuldade de transportar barraca sem despachar no avião, por isso recomendo ficar nas pousadas que possuem um excelente custo-benefício. Nas proximidades da Pedra Caída, eu me hospedei na Pousada Águas do Cerrado; Em Riachão, me hospedei na Pousada Alvorada; Em Itapecuru, me hospedei na Pousada Ribeiro; E em Carolina, me hospedei na Pousada Vale das Águas. Todas com um excelente serviço e me ajudaram bastante com dicas da região. Vou detalhar cada hospedagem nos posts específicos dos lugares que visitei.


5) SEGURANÇA - Conversei com os moradores de Carolina e Riachão sobre a segurança pública nas estradas e nas cidades da Chapada. Todos falaram muito bem da tranquilidade que é viver por ali. Contaram que os casos mais graves que já ocorreram foram de roubo de banco por quadrilhas de fora da região, mas que da última vez que isso aconteceu a polícia os capturou e que faz tempo que nada acontece por lá. Me senti bastante seguro durante toda a viagem.


6) DINHEIRO - Nem todos os lugares aceitam cartões de crédito ou débito, por isso é recomendável levar uma quantia de dinheiro em espécie. Sacar dinheiro também não é simples, havendo caixas automáticos para saque apenas no centro da cidade de Carolina. Os bancos existentes que observei eram os seguintes: Banco do Brasil, Bradesco e Banco da Amazônia.


7) ÁGUA - A região possui dezenas de cachoeiras e cursos d'água que escoam direto das nascentes, ou seja, água é o que não falta por lá. Por ser pura e de boa qualidade, a água que abastece as casas não possui química, sendo inclusive um atrativo para mulheres que costumam gastar fortunas com produtos para o cabelo. Outra vantagem é que a temperatura não é gelada, tornando as cachoeiras muito agradáveis em comparação com outras cachoeiras pelo Brasil.


8) COMIDA - Os pratos mais populares da região são o frango caipira, a carne de sol e o peixe frito. Aproveite para provar as frutas regionais, principalmente o bacuri e o cupuaçu, e não deixe de tomar um açaí de verdade. O preço dos pratos varia, se almoçar nos restaurantes das cachoeiras vai pagar mais caro (principalmente na Pedra Caída!), porém nos restaurantes das cidades de Carolina e de Riachão o preço está na média. Dica "A Mochila e o Mundo": Se quiser economizar como eu, procure restaurantes de postos de gasolina na estrada que servem PF (prato feito) para os caminhoneiros. Se quiser economizar mais ainda, abasteça o carro com comida de supermercados (Carolina e Riachão).

Os supermercados também possuem comida para a galera Nutella, como essa bandeja de laranja descascada


9) MOSQUITOS - Não percebi a presença "anormal" de mosquitos na região, mesmo perto de onde havia água. Se quiser, carregue um repelente para garantir, mas não vai sentir mais mosquitos do que uma região urbanizada do Brasil.


10) DRONES - Não vi placas ou impedimentos em voar com drone em quaisquer atrações na área da Chapada das Mesas. Por segurança é bom lembrar que existe aeroporto próximo da cidade de Carolina. Recomendo ficar atento, pois o drone ainda não é muito popular na região e as regras podem evoluir.

Vôo com drone em Itapecuru


CUSTOS (dezembro 2019)

Viajar pela Chapada das Mesas não é barato, principalmente pelos custos de deslocamento para chegar até lá, afinal, é uma rota incomum e o preço da passagem aérea costuma ser alto. Outra coisa que achei muito cara são as taxas de acesso às principais atrações. Segue a minha lista de gastos na ordem dos acontecimentos:

- Vôo Rio de Janeiro-RJ x Imperatriz-MA (ida e volta pela LATAM) - R$ 1.578,74
- Aluguel do carro (8 diárias) - R$ 596,33
- Almoço Cachoeira do Dodô - R$ 30
- Entrada Cachoeira do Dodô - R$ 10
- Entrada Pedra Caída - R$ 60
- Tour Cachoeira do Santuário - R$ 30
- Almoço na Pedra Caída (petiscos) - R$ 20
- Açaí 300ml em Carolina - R$ 7
- Água 1,5L no mercadinho - R$ 5
- Mercado em Riachão - R$ 19
- Entrada Encanto Azul - R$ 30
- Entrada Poço Azul - R$ 60
- Gasolina 1 - R$ 200
- Jantar PF no posto de Itapecuru - R$ 15
- Entrada Cachoeiras de Itapecuru - R$ 20
- PF (carne de sol) - R$ 20
- Tigela de açaí - R$ 10
- Entrada Portal da Chapada - R$ 10
- Mercado em Carolina - R$ 8,30
- Jantar (Massas & Cia) - R$ 19
- Tour com 4x4 na área do Parque - R$ 150
- Entrada Cachoeira de São Romão - R$ 20
- Entrada Cachoeira da Prata - R$ 20
- Almoço na Cachoeira da Prata - R$ 17,50
- Jantar (Chega +) - R$ 20
- Viagem ao Rio Araguaia - (como não faz parte do circuito da Chapada das Mesas, vou detalhar os custos no post específico)
- Hotel La Bella (Imperatriz) - R$ 49,50
- Jantar - R$ 18
- Almoço - R$ 18
- Lanche para a viagem - R$ 13,80


Dica 1: Os custos de aluguel de carro e gasolina podem ser divididos com mais pessoas durante a viagem e assim reduzir os gastos.

Dica 2: Estudantes e professores pagam meia na entrada de todas as atrações. Se você é estudante, não esqueça a carteirinha, e se você é professor, leve o seu contracheque.


ROTEIRO

Clique aqui em ROTEIRO COMPLETO para visualizar o roteiro executado e ter acesso aos links de relatos do dia-a-dia da minha viagem pela região da Chapada das Mesas.


MEU ROTEIRO

Roteiro completo: CHAPADA DAS MESAS

Próximo: CACHOEIRA DO DODÔ



Siga A Mochila e o Mundo:





Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Reservas na Asia

trazy.com

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Clique aqui para seguir no

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Leia Também

Viagens pelo Mundo

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 37 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações