Inicio » , , , , , » Cuba: Cayo Santa Maria, um pedaço desconhecido do paraíso

Cuba: Cayo Santa Maria, um pedaço desconhecido do paraíso

Área de resorts em uma praia distante e pouco frequentada de Cuba


Cayo Santa Maria foi o lugar mais isolado que cheguei no meu roteiro por Cuba e, por isso, foi um paraíso descoberto. É uma área de concentração de resorts com praias paradisíacas. Não há cidade ou centro urbano por perto, isso o torna um lugar fora da realidade de Cuba. Por estar em uma região distante e pouco procurada, as diárias dos resorts all inclusive não são tão caras como em Varadero, por exemplo.


COMO CHEGAR?

Segui para Cayo Santa Maria a partir da cidade de Santa Clara com um taxista amigo do proprietário da casa onde eu estava. Os táxis coletivos cobram até 35 CUC por pessoa e saem da rodoviária de Santa Clara, mas este cobrou 50 CUC a corrida (pode dividir com outras pessoas). O nome do taxista é Yandy e o contato é 42206205 / 53294167. Outra opção seria um único ônibus da Viazul que sai diariamente de Trinidad às 7h30 e passa por Santa Clara às 10h30, com previsão de chegada às 13h05 em Cayo Santa María. Atrasos podem acontecer, mas o preço compensa (20 CUC saindo de Trinidad e 13 CUC saindo de Santa Clara).

Pedraplén é a estrada construída em cima do mar que liga à Cayo Santa Maria


Delfinario (aquário de golfinhos) no caminho


ONDE FIQUEI?

Como não há centro urbano naquela região, é necessário se hospedar em um resort. Depois de uma pesquisa de preços, percebi que o Golden Tulip Aguas Claras Resort era o melhor custo benefício com quartos duplos que variavam de 89 a 117 dólares em regime all inclusive. Não pense que o padrão dos all inclusive se assemelha com Cancún, mas é um preço bem em conta para o tipo de serviço.

O Golden Tulip foi a melhor opção de custo benefício

  
Show caribenho na programação do resort


Uma das melhores coisas do resort foi disponibilizar um cartão para acesso à internet de graça. Mesmo nos resorts, não há Wi Fi Free em Cuba. A internet tem que ser comprada por horas usadas e o Golden Tulip me deu 1 hora de internet (olha o nível da alegria). Só que eu tive o azar de estragar a numeração na hora de raspar e acabei perdendo minha única oportunidade de ter internet de graça em Cuba. 😒

Cartão de internet disponibilizado pelo resort


O RESORT E A PRAIA

Paguei apenas uma diária e fiquei no resort quase dois dias completos! Isso porque o check in do quarto é a partir das 16h00, porém, se chegar de manhã, já pode usar a área do hotel e consumir bebidas e comidas.

Vista do mar azul turquesa do caribe


Comecei o dia explorando uma parte mais reservada da praia


A água é tão clara que parece uma piscina


As gaivotas se aproximam pensando que tenho comida


Piscina do resort e o contraste com o mar


Existe uma piscina menor em outra parte do resort


O bar serve bebidas como Mojito, Piña Colada, Cuba Libre e Varadero Sunrise (da foto)


O almoço não tem tanta variedade mas foi a alegria deste mochileiro esfomeado. Nem preciso falar que repeti o prato. Na parte da tarde, fui para a praia principal do resort onde tem cadeiras, palhoças para proteger do sol e até barcos à vela (custo não incluído). Fiquei até o pôr do sol e fui... comer de novo! Era hora do jantar!

Na praia do resort tem uma área relaxante com bastante sombra


Opção de barcos à vela para navegar


Pôr do sol entre nuvens, porém lindo


Na parte da noite aconteceu um show de música tradicional cubana no auditório perto da recepção. Provei pela primeira vez a bebida Daiquiri que foi inventada em Cuba. Após o show, abriu uma espécie de pub, mas logo fechou por falta de gente. Parece que o povo que frequenta o resort não é muito animado.

Show de música e danças cubanas


O Daiquiri original de Cuba


O pub vazio do resort. Só tomei uma taça de vinho para constar


No dia seguinte, acordei cedo para presenciar o incrível nascer do sol naquela praia de águas cristalinas. O clima estava agradável e o sol deu o show esperado. Apesar do check out acontecer às 12h00, permaneci na área do resort até às 15h30 (comendo e bebendo). Foi então que tive que deixar aquele paraíso caribenho para trás e pegar a estrada.

Nascer do sol em Cayo Santa Maria


Foto sem filtro e feita com o celular. É o lugar que parece um quadro mesmo!


Era 7h00 da manha e fui dar o primeiro mergulho do dia


PARTIDA PARA VARADERO

Meu próximo destino seria Varadero, outra praia caribenha paradisíaca de Cuba. A diferença é que Varadero é famosa, bem movimentada e existe um centro urbano. A proximidade da capital Havana facilita esse movimento por lá, porém, é bem distante de Cayo Santa Maria. Para chegar lá, existem transfers vendidos pelas agências de turismo instaladas nos resorts e cobram 25 CUC. O que eu não sabia é que a lista de passageiros fecha até 12h00 do dia anterior ao transfer. Cheguei depois desse horário e não teve choro! Como as agências são estatais, não tem nem como negociar. Como perdi o transfer, tive que dividir um táxi que cobra 140 CUC a corrida (podendo dividir com outros passageiros). Isso mesmo! Foi o maior prejuízo que tive na viagem.

A última vista da janela do meu quarto parecia uma pintura


MEU ROTEIRO

Anterior: SANTA CLARA

Roteiro completo: MISSÃO CUBA

Próximo: VARADERO


Siga A Mochila e o Mundo:





Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Reservas na Asia

trazy.com

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Clique aqui para seguir no

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Leia Também

Viagens pelo Mundo

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 37 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações