Inicio » , , , , , » Islândia: Dicas e custos para planejar uma road trip pelo país

Islândia: Dicas e custos para planejar uma road trip pelo país

Informações úteis e dicas exclusivas para ajudar no planejamento de viagem


A Islândia e este blog possuem uma longa história de amor e de polêmica. No ano de 2016, eu publiquei um post falando sobre um blog internacional que divulgou a notícia de que o governo da Islândia estaria oferecendo U$ 5 mil para estimular imigrantes a casar com mulheres islandesas. Minha publicação apenas relatava sobre o tal blog mas nunca afirmou a suposta notícia, porém a postagem acabou viralizando mundialmente com mais de 6 milhões de visualizações. Recebi várias mensagens de pessoas do mundo todo perguntando como fariam para entrar no "processo seletivo". O post recebeu vários comentários engraçados. Outros blogs começaram a replicar o meu texto. O ápice foi ter parado até no quadro "Detetive Virtual" do programa Fantástico, da Rede Globo. Desde então fiquei curioso em conhecer aquele país e aos poucos foi crescendo essa vontade. Com um bom planejamento, consegui fazer uma road trip de 13 dias na Islândia... porém voltei solteiro e sem meus U$ 5 mil 😜.


Veja a notícia que gerou polêmica mundial: Islândia vai pagar U$ 5mil por mês para quem casar com uma islandesa?

Veja os comentários engraçados sobre a notícia: Os melhores comentários sobre a suposta oferta para casar na Islândia


21 DICAS PARA FAZER UMA ROAD TRIP PELA ISLÂNDIA

1) VISTO: A Islândia faz parte do acordo Schengen, logo, brasileiros não precisam de visto para viajar para a Islândia até 90 dias, apenas de um passaporte válido de 6 meses até a data de saída do país. Curiosidade: não existe embaixada da Islândia no Brasil, quem responde por questões diplomáticas relacionadas à Islândia é a embaixada da Dinamarca.

Brasileiros não precisam de visto para viajar para a Islândia


2) FUSO-HORÁRIO: A Islândia tem apenas 3 horas a mais que o Brasil (horário de Brasília) e não possui horário de verão. O Horário Brasileiro de Verão (HBV) pode influenciar na diferença de horário, tendo 4 horas a mais.


3) DINHEIRO: A moeda do país é a Coroa Islandesa, cujo símbolo internacional é o ISK. Em 2008, ocorreu uma grave crise financeira no país e a moeda se desvalorizou 80% em relação ao euro. Para se converter rápido de cabeça basta cortar 2 zeros que se tem o valor aproximado do dólar (Ex.: 1.000 ISK ≅ 10 USD). Praticamente todos os bancos islandeses em todas as cidadezinhas fazem o câmbio de euro e dólar, basta entrar, pegar a senha e trocar no caixa. O custo de vida é alto na Islândia, um dos países mais caros da Europa.

Cédulas de Coroa Islandesa (ISK)


4) IDIOMA: As crianças islandesas aprendem 4 idiomas na escola: islandês, inglês, dinamarquês e podem escolher entre alemão ou francês como o quarto idioma. Assim, quase toda a população fala o inglês, não sendo problema para se comunicar. Até um trabalhador da roça deu informação em inglês em uma trilha no interior.


5) POPULAÇÃO: Foram colonizados pelos Vikings e cerca de 2/3 da população está concentrada na capital Reykjavík. Em um levantamento realizado em 2016, verificou-se que a Islândia possuía  apenas 334.252 habitantes. Compare agora com os municípios brasileiros de São Gonçalo-RJ e de Bauru-SP... existem mais de 337.000 habitantes em cada um destes.


6) CRENÇA: A principal religião islandesa é o luteranismo (91% da população), que pertence à doutrina protestante. Outra crença dos islandeses é no "povo oculto" (Hidden People), chamado Huldufólk, que alguns afirmam até que já viram. Idem sobre os elfos. Esta é uma antiga crença islandesa e a maioria das pessoas respeita a tradição.

Visita à Elfschool, uma escola de pesquisas sobre elfos


7) ATRAÇÕES: A maioria dos pontos turísticos possui estacionamento e não é longe para chegar a pé (caminhada curta).


8) MELHOR ÉPOCA: Fui na segunda quinzena de abril. Parece que o tempo muda toda hora: chove, sol, neve, granizo, vento forte e às vezes tudo em um intervalo curto, isso foi legal para conhecer a Islândia de todas as formas. Acho que o período mais tranquilo para visitar a Islândia é a partir de 01 de maio, pois muitos tours só funcionam a partir do verão (algumas trilhas, boat tour nos lagos, etc.), porém existem atividades que só estão disponíveis no inverno (esqui, cavernas de gelo, lagos congelados, etc.). Para informações precisas do tempo na Islândia, acompanhe o site http://en.vedur.is/

Venta forte na Islândia e o clima pode mudar rapidamente


9) FRIO: Os islandeses não sabem o que é sentir calor. O frio da Islândia é tão constante que os próprios europeus fazem piada com o verão deles, cheguei a presenciar isso. Porém, apesar de constante, a temperatura não chega a baixar tanto no inverno quanto em outros lugares da Europa. A temperatura anual varia entre 10°C e -10°C, em média, pois a maioria das cidades está quase no nível do mar. Deve-se levar boas roupas de frio para ficar confortável no país, principalmente meias, luvas e uma segunda pele para usar debaixo da calça. Recomendo o uso do casaco com as 3 camadas: segunda pele, um fleece e, por cima, um casaco corta vento (melhor seria um casaco de pluma de ganso).

Slogan de uma marca islandesa de roupa de frio: "Esperando pelo verão desde 1926"


10) ÁGUA: A água da Islândia é potável até nas torneiras. Comprei apenas uma água engarrafada de 2 litros para usar a garrafa como recipiente para encher pelo caminho. Enchi de água e bebi em vários lugares como banheiros, lojas de conveniência e até em cachoeiras. Não passei mal. Só existe uma exceção: em alguns lugares, como a região do lago Myvatn, a água está misturada com enxofre.

Pegando água na cachoeira Öxarárfoss para beber 


11) COMIDA: Como o país tem custo de vida alto, a dica é comprar comida no mercado. Existem alumas redes de supermercados presentes em várias cidades. As mais populares são: Netto, Kronan e Bonus. O preço dos produtos na capital é mais barato, logo, sugiro, assim que chegar na Islândia e alugar um carro no aeroporto, passar em Reykjavík para fazer compras em um desses mercados. Fiz em um mercado chamado Iceland, em Keflavík, e foi mais caro, porém só perceberia isso no final da viagem. A Islândia não produz quase nada no país, sendo a maioria dos produtos importadas no mercado. Outra dica é levar fogareiro e panela para cozinhar. O gás, como não se pode levar em avião, pode ser comprado nas lojas de conveniência dos postos de gasolina, sendo uma botija de 400g suficiente para 10 a 13 dias de viagem.

Cozinhar a própria comida é um meio de economizar na viagem


Macarrão instantâneo sabor pato!


12) INTERNET: Comprei no mercado um chip de internet da Síminn com 10 Gb de dados por 2.900 ISK. Usei por 13 dias e dividi o consumo de dados com meu amigo. Usamos o tempo todo com o app Waze, ainda baixando fotos, vídeos, etc., e fui embora da Islândia no último dia de viagem ainda com créditos! Percebi com isso que o consumo de dados deve ser fraudado pelas operadoras no Brasil. Além disso, a qualidade e alcance da internet é excelente em todo o território. Cheguei a passar por um túnel de quilômetros sem perder sinal.

Chip pré-pago de celular com 10 Gb de dados


13) TOMADA: A energia na Islândia é farta devido às suas usinas geotermais. Normalmente a voltagem é 220V, 50 Hz AC, padrão europeu, e as tomadas possuem dois pinos redondos como as antigas brasileiras. Veja abaixo modelo de tomada mais encontrada.

Modelo de plug de tomada na Islândia


14) SEGURANÇA: A Islândia é considerada um dos países mais seguros do mundo. Na capital Reykjavik há registro de ocorrências de assalto (muito raro), basta ter o bom senso para andar de madrugada na rua, mas acho que isso os brasileiros já incorporaram. Os maiores perigos estão na natureza, então é bom respeitar as placas com avisos de cautela. Se possível, baixar o aplicativo chamado 112 Iceland para smartphone, que marca sua posição através de GPS em qualquer lugar da Islândia e você pode acionar a emergência em caso de acidente.

Polícia islandesa atendendo uma ocorrência: buscar um bêbado no museu!


15) VEGETAÇÃO: Poucas árvores pois foram devastadas no passado, mas no século 20 começou a ser reflorestado.


16) ANIMAIS: Não há muita variedade de espécies na Islândia, talvez por causa do frio. Os animais que eu vi pelo caminho foram: cavalos islandeses (muitos!), alces, cabras, corvos grandes, patos, gansos e cisnes. Não há cobras e raramente se vê insetos. Achei surpreendente abrir uma lixeira com restos de comida há dias na beira da estrada e não ter insetos ou vermes no lixo. Mas atenção, fique atento aos patos e gansos! Eles estão espalhados pelas estradas e, ao se assustarem com os carros se aproximando, voam desordenadamente para a frente. Um pato voou para frente do meu carro, ocasionando um prejuízo (mais abaixo eu explico o quanto).

Um pato voou para cima do carro e o resultado foi trágico


17) PERNOITES: As hospedagens são caras. Dormi no carro na maioria dos dias e me hospedei em lugares estratégicos para recarregar as "baterias do corpo" e ter local para tomar banho. Minhas hospedagens foram no Midgard Base Camp, na cidade de Hvolsvöllur, para descansar da viagem de ida; no Fransiskus Hotel, na cidade de Stykkishólmur, para um banho e descansar depois de dar a volta pelo norte da ilha; e no Base Hotel/Hostel, em Keflavík, na noite antes do vôo de retorno (não é permitido dormir no aeroporto).


18) CAMPINGS: A maioria só abre no verão. Existem locais de estacionamento na beira das estradas que podem servir como campings autorizados, outros (a maioria) possuem placas de "proibido pernoitar" (overnight forbidden). Eu sempre procurava um área isolada ou um estacionamento onde não houvesse placa de "proibido" para dormir dentro do carro mesmo. Nos relatos desta viagem marquei esses pontos no Google Maps.

Alguns locais informam que é proibido acampar ou passar a noite dormindo no carro


19) CARRO:

É quase impossível viajar pelas principais atrações do país sem carro, por isso, é essencial alugar um. Existem opções de carros esportivos e campervan (vans adaptadas para se dormir dentro, no estilo motorhome). Existem várias locadoras de veículo, sendo possível pegar o carro logo que chegar no aeroporto e devolver no final da viagem.

Dica importante: procure escolher uma agência de rent a car renomada na hora de alugar. Escolhi a agência que ofereceu o preço mais barato, chamada Iceland Car Rental Station (ICRS) e acabei sendo "passado para trás"! A agência ofereceu um pacote de seguro para colisões e eu (dividindo com meu amigo) paguei quase R$ 800 por isso. Durante a road trip, um pato colidiu contra a grade na frente do veículo (foto acima), causando um pequeno dano. Ao devolver o carro, a agência explicou que havia outro valor que deveríamos deixar até concluir o conserto e então seríamos restituídos do excesso. Este valor era de aproximadamente 3.500 USD (mais de R$ 12 mil !!!) para colisões em geral. Pagamos considerando que seríamos restituídos, afinal o dano era pequeno, e para a nossa surpresa, quase 1 mês depois, a agência alegou por e-mail que sobrou apenas 7 USD do valor do conserto!!! Que coincidência! Conserto superfaturado! Eu nunca achei que seria vítima de golpe na Islândia. Ainda estou tentando resolver a situação com eles, mas tenham muito cuidado com a Iceland Car Rental Station (ICRS). 😣

Golpe: O valor tabelado que deixei foi de 358.000 ISK e a ICRS alegou que custou 357.258 ISK! Superfaturamento e coincidência demais! 


20) ESTRADAS

A estrada que liga as principais cidades e dá a volta na Islândia é bem pavimentada, bem sinalizada e boa parte dela é reta e plana. Apenas algumas estradas para o interior são de terra, mas também são trafegáveis (cuidado apenas com brita no pára-brisas). As estradas das chamadas "highlands" (terras altas), que ficam em algumas elevações, requerem veículos 4x4 (placas avisam). Não é necessário alugar um veículo 4x4 pois as atrações ficam em estradas acessíveis por qualquer carro. No geral, o limite de velocidade em via principais (asfalto) é de 90 km/h e em vias secundárias (terra/brita) é de 70 km/h. Não vi barreiras policiais nas estradas. Existe pouca fiscalização eletrônica, além de curiosos placares eletrônicos que informam a velocidade através de emojis!!! Para me guiar, utilizei o aplicativo Waze que funciona muito bem no país. Para informações precisas das estradas da Islândia, acompanhe o site www.road.is

Controle de velocidade através de emojis!


As condições reais das estradas através do site Road.is


21) COMBUSTÍVEL

O preço do combustível variava entre 201 e 213 ISK por litro em abril de 2018. Os postos de gasolina são "self-service", ou seja, o próprio motorista abastece na bomba. Alguns postos também possuem mangueiras com esfregões de graça para o motorista lavar seu próprio carro. O pagamento variava, podendo ser no interior da loja de conveniência (a maioria dos postos possui uma), através de um cartão pré-pago comprado na loja de conveniência ou pago diretamente na bomba através do cartão de crédito. Veja abaixo como pagar com o cartão de crédito:

Na Islândia não há frentista, o próprio motorista abastece o carro


Após escolher o idioma (opção em inglês), insira o cartão de crédito


O pagamento é feito antes de abastecer, basta escolher o valor ou encher o tanque (fill up)


Digite sua senha


Selecione qual bomba (mangueira) será utilizada. Observe que há uma numeração nelas


Valores (Kr se refere às coroas islandesas) e litros


CUSTOS (abril 2018)

Fiz a viagem dividindo custos com um amigo, por isso alguns preços estão com o valor total e o valor individual dividido por 2 entre parenteses. Observe que ISK significa "Coroas Islandesas". Segue a minha lista de gastos na ordem dos acontecimentos:

- Aluguel do carro (12 diárias) - R$ 1.044,91 no cartão (÷2 = 522,45)
- Seguro do carro - 20.400 ISK ou R$ 775,27  (÷2 = 387,63)
- Mercado 1 - 9.787 ISK (÷2 = 4.893,50)
- Gás 1 - 1.395 ISK (÷2 = 697,50)
- Cratera Kerið - 400 ISK
- Estacionamento Seljalandsfoss - 700 ISK (÷2 = 350)
- Estacionamento Svartifoss - 600 ISK (÷2 = 300)
- Estátua Viking (artesanato) - 1500 ISK
- Combustível 1 - 3.000 ISK (÷2 = 1.500)
- Mercado 2 - 2.468 ISK (÷2 = 1.234)
- Combustível 2 - 6.801 ISK (÷2 = 3.400)
- Combustível 3 - 5.232 ISK (÷2 = 2.616)
- Mercado 3 - 3.571 ISK (÷2 = 1.785,50)
- Combustível 4 - 7.813 ISK (÷2 = 3.908,50)
- Mercado 4 - 512 ISK (÷2 = 256)
- Gás (errado) - 1.395 ISK (÷2 = 697,50)
- Gás 2 - 1.395 ISK (÷2 = 697,50)
- Combustível 5 - 3.000 ISK (÷2 = 1.500)
- Mercado 5 - 2.904 ISK (÷2 = 1.452)
- Combustível 6 - 6.000 ISK (÷2 = 3.000)
- Elfschool - 6.000 ISK
- Museu Falológico - 1.500 ISK
- Museu Nacional - 2.000 ISK
- Assentamento Viking - 1.650 ISK
- Lagoa Azul - R$ 381,76 no cartão
- Combustível 7 - 2.000 ISK (÷2 = 1.000)


ROTEIRO

Clique aqui em ROTEIRO COMPLETO para continuar lendo e ter acesso aos links de relatos do dia-a-dia da minha road trip pela Islândia.



Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Proxima Página inicial

Reservas na Asia

trazy.com

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Clique aqui para seguir no

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Leia Também

Viagens pelo Mundo

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 36 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações