Inicio » , , , , » Namíbia: O que fazer no país em 5 dias com dicas e custos

Namíbia: O que fazer no país em 5 dias com dicas e custos

Roteiro e dicas exclusivas para o planejamento de uma viagem à esse lugar tão exótico



A Namíbia é um país recente, teve sua independência da África do Sul apenas em 1990 e aos poucos vem crescendo como opção de turismo pelo continente africano. Um dos pontos positivos é ser um país pacífico, sem conflitos internos e bem receptivo aos estrangeiros, já o ponto negativo seria a pouca infraestrutura no seu imenso território, em grande parte desértico, com uma população de apenas 2,2 habitantes por km2 (para se ter uma ideia, o Brasil tem aproximadamente 10 vezes o tamanho da Namíbia e possui cerca de 23 habitantes por km2). Seu idioma oficial é o inglês.

Chegada no aeroporto de Windhoek, capital do país


COMO PLANEJAR A VIAGEM?

Planejar um mochilão pela Namíbia não foi tarefa fácil. Eu tive pouco tempo para pesquisar e a maioria das informações e os poucos blogs em português, apesar de descreverem as atrações existentes, não deixavam clara a logística utilizada para nesses pontos. Por isso, vou tentar dar algumas dicas para facilitar a vida de quem está na mesma situação.

A Namíbia surpreende pela natureza exótica e pelas cidades bem organizadas


A primeira dica é que a melhor maneira de viajar pela Namíbia é partindo de sua bem estruturada capital Windhoek (se pronuncia "vínduk"). Estima-se que ali se concentra um oitavo (ou 12,4%) da população total do país. Para chegar lá a partir do Brasil, as opções mais rápidas são vôos para Angola e África do Sul, vizinhos da Namíbia, com empresas como a South African Airways, LATAM e TAAG. A partir da Angola / África do Sul, é possível voar de Air Namibia para a capital, como foi o meu caso. O aeroporto de Windhoek fica a cerca de 40 km do centro urbano. 


Windhoek é uma cidade limpa e com uma excelente infraestrutura



A segunda dica é como se deslocar pelo país, aí vem uma informação importante: o transporte público é quase inexistente. É impossível viajar pelos pontos de interesse desse jeito. Existem 3 maneiras básicas para visitar as atrações do país:

1) SELF DRIVE - Consiste em alugar um carro e utilizar mapas para chegar nas atrações (Avis, Hertz, etc.). Essa é a maneira mais barata de transporte, porém propícia ao perrengue (no caminho, conheci um brasileiro que teve um pneu furado dirigindo nessas estradas). As estradas são bem sinalizadas e fáceis de dirigir pois o terreno é quase sempre plano. Asfalto somente nas imediações das cidades e no interior são vias de terra e pedras, um pouco mais complicado. O motorista deve portar a PID (Permissão Internacional para Dirigir), apesar de eu ter conhecido pessoas que dirigiram apenas com a CNH brasileira e não foram paradas pela polícia, aliás, só vi postos de fiscalização nas entradas de Windhoek, mas que não paravam motoristas em carro de passeio. Outro detalhe a ser considerado: as vias obedecem à mão inglesa.

 Algumas estradas são rústicas e empoeiradas, mas bem sinalizadas


2) PRIVATE TOUR - Contratar um motorista para dirigir pelas estradas, com carro próprio ou alugado. O combustível pode ser incluso no valor contratado ou não, tendo a vantagem da flexibilidade no roteiro. Também é necessário arcar com as despesas de alimentação e hospedagem do motorista. Eu fiz os dois primeiros dias do meu roteiro com o Ino, o namibiano que acabou se tornando um amigo. Para quem se interessar, pode fazer contato (em inglês) e combinar um private tour com ele pelo Whatsapp +264812863631 ou pelo Facebook neste link.

Private tour para chegar em locais não convencionais como Twyfelfontein


3) TOUR EM GRUPO - Tour com datas pré-definidas e feitas em grupo, normalmente ônibus ou vans. A agência de tour já define o local para a hospedagem e alimentação que costumam ser inclusos no preço. Não se tem preocupação com detalhes, basta seguir o fluxo e o guia. Não gosto muito desse tipo de tour "amarrado", mas em algumas situações costuma ser a maneira mais prática de se visitar determinada atração.

Passeios em grupo mais comuns


👉DICA: Agora vem a dica de ouro! Como disse anteriormente, eu tive pouco tempo nos preparativos da viagem e saí do Brasil sem reservar quase nada. A minha sorte foi ter conseguido o contato da Gina, uma brasileira que vive na Namíbia e possui uma agência de turismo chamada Brazuca Travels. Troquei mensagens com ela pelo Whatsapp (+264812661339) e ela resolveu tudo para mim (transfer do aeroporto, hospedagem, private tour, Sossusvlei Safari, etc.). Mais tarde em Windhoek, a conheci pessoalmente, me passado várias informações sobre o país. Recomendo entrar em contato também pelo Instagram @brazucatravels. Pode falar que foi indicação do Renan do blog A Mochila e o Mundo 😉.


ONDE FICAR?

Em Windhoek, fiquei hospedado com excelente custo-benefício no Chameleon Backpackers & Guesthouse, tudo reservado pela Gina como expliquei acima. Para quem vai se aventurar sozinho pelo interior do país, uma opção econômica é ficar em acampamentos no caminho das atrações, possuindo estrutura de camping com banheiro (água quente de aquecedor) e cozinha. São abundantes e fáceis de achar. É possível levar seu próprio equipamento (barraca de camping, saco de dormir, etc) ou alugar uma Tent (barraca grande, com cama).

Chameleon Backpackers & Guesthouse


Interior de uma "Tent" que pode ser encontrada nos campings


O QUE FAZER EM 5 DIAS?

Eu tive tempo disponível para apenas 5 dias completos na Namíbia (cheguei um dia antes e fui embora um dia depois) e priorizei a exploração naquelas atrações que são as mais exóticas do país. Por exemplo, não fui no Etosha Park (o melhor game park namibiano) porque eu já iria fazer safári em Botsuana e na África do Sul. Veja abaixo um resumo das atrações por onde passei:


DIA 1

Cheguei na noite do dia anterior e saí pela manhã com um private tour para a área de Otjikandero, onde está localizada uma aldeia da Tribo Himba. O relato completo deste dia está no post Encontro de culturas na Tribo Himba.

Contato de diferentes culturas na tribo Himba


DIA 2

Seguimos por vários quilômetros, a maior parte em de estrada de terra, para chegar numa área mais inóspita em que existe o sítio arqueológico chamado Twyfelfontein. No final do dia retornamos à capital Windhoek para pernoite. O relato completo deste dia está no post Imagens do passado nas pedras de Twyfelfontein.

Centenas de desenhos rupestres preservados no clima seco do deserto


DIA 3 e 4

A parte mais esperada e exótica da viagem ocorreu através de um tour de duração de 3 dias para o deserto da Namíbia, na exótica região de Sossusvlei. O relato completo destes dias está no post 3 dias de exotismo no deserto de Sossusvlei.

O exótico Deadvlei e suas árvores petrificadas


DIA 5

No quinto dia, além do retorno da região de Sossusvlei, aproveitei o final da tarde para dar uma volta nas ruas e conhecer as belezas da capital Windhoek. A Gina marcou num mapa um roteiro de walking tour e segui andando a partir do hostel. Primeiro passei pela construção histórica onde se localiza o Craft Centre (artesanatos) e depois subi a rua até a principal atração arquitetônica da cidade: a Christuskirche.

Mercado de artesanatos


A Christuskirche (Igreja de Cristo) é uma igreja luterana


O relógio, os sinos e parte do telhado vieram da Alemanha


O pórtico foi feito de mármore carrara importado da Itália


Sua construção foi concluída em 16 de outubro de 1910


Localizado ao lado da catedral está o Independence Museum que celebra a independência do país em 21 de março de 1990. Funciona de 9h às 17h (sab-dom abre às 10h). Na sua frente se encontra uma estátua de Sam Nujoma, o primeiro presidente da Namíbia segurando sua constituição. Foi ali que eu encerrei a jornada assistindo o pôr-do-sol por entre os prédios da cidade de Windhoek.

Estátua do primeiro presidente da Namíbia em frente do Museu da Independência


Final de tarde apreciado a partir do Independence Museum


OUTRAS ATRAÇÕES

Parque Nacional Etosha - É um game parque famoso pelas centenas de espécies que abriga, incluindo algumas ameaçadas de extinção como o rinoceronte-negro. Localizado a noroeste do país.

Opuwo - Local de origem da tribo Himba e cuja cultura está mais preservada se comparada às demais aldeias. Localizado no norte do país.

Skeleton Coast Park - Faixa de litoral cujo nome deriva da grande quantidade de ossos de baleias e de focas dispersos nas praias, além de carcaças de embarcações naufragadas que se mantém intactas por ser uma região deserta. A principais cidades dessa região são Torra Bay, Walvis Bay e o balneário Swakopmund.

Fish River Canyon Park - Uma formação de cânions, no sul do país, quase na divisa com África do Sul.

Deserto de Kalahari - Região desértica localizada à oeste do país e que divide suas terras com Botsuana. 


6 INFORMAÇÕES ÚTEIS

1) FUSO HORÁRIO: São 4 horas a mais que no Brasil (Brasília), exceto de setembro a abril quando acontece o horário de verão na Namíbia. Veja o horário com precisão neste link.

2) DINHEIRO: A moeda oficial do país é o Dólar Namibiano que possui a mesma cotação do Rand sul-africano. Me assustei quando cheguei no aeroporto de Windhoek e fui sacar no caixa ATM, saindo apenas cédulas de Rand. Depois descobri que ambas as moedas são aceitas no país. Na época que estive na Namíbia, a cotação era de R$ 1 para cada 4 Dólares Namibianos. Simule a cotação atual neste link.

3) SEGURANÇA: Evitar andar à noite nas ruas dos centros urbanos é uma forma de evitar problemas. Também ouvi falar de falsos taxistas, principalmente no aeroporto, que podem roubar suas bagagens. Recomendações normais sobre a segurança que não são diferentes daquelas para viajar para qualquer grande cidade do Brasil.

Viatura da polícia namibiana


4) ANIMAIS NA PISTA: Fora dos centros urbanos o problema com a segurança são os animais, seja pelos predadores selvagens ou mesmo por aqueles que atravessam as estradas, podendo provocar acidentes de trânsito. Recomenda-se não dirigir nas estradas à noite.

Placa sinalizando javali selvagem


5) TOMADAS: É o mesmo modelo de plug utilizado na África do Sul, o que requer adaptadores para nós brasileiros. Podem ser achados nos aeroportos ou mercados. Veja abaixo o modelo:
Plug de tomada comum na Namíbia


6) GRUPO DE WHATSAPP: Para tirar dúvidas e obter mais informações, existe um grupo de Whatsapp formado com pessoas que vão viajar ou estão viajando pela África. Basta entrar no link https://chat.whatsapp.com/AdGlMox92QN8DJhuiqKsKV no seu smartphone.


CUSTOS (abril 2017)

- Passagem Air Namibia (Cape Town x Windhoek) - R$ 600
- Transfer Aeroporto + Private Tour 2 dias - N$ 2.900
- Adaptador de tomada - N$ 39
- Pack 6 cervejas long neck - N$ 96
- Água 10 L + biscoito - N$ 91
- Gasolina 1 - N$ 104*
- Almoço self service - N$ 80
- Compras mercado p/ 2 dias - N$ 184,65
- Banheiro - N$ 2
- Camping (Tent) - N$ 250*
- Gasolina 2 - N$ 97*
- Compras mercado - N$ 100
- Entrada Twyfelfontein - N$ 60
- Gasolina 3 - N$ 238,30
- KFC - N$ 45
- Gasolina 4 - N$ 177,35
- Sossusvlei Safari - N$ 4.540
- Compras mercado - N$ 45
- 2 chopps no deserto - N$ 54
- Água 5L - N$ 40
- Lanche de almoço - N$ 40 
- Balada em Windhoek (entrada grátis + long neck a N$ 15) - N$ 100
- Chapéu novo - N$ 700

Total: N$ 12.278,65 (aproximadamente R$ 3.000)

* valores que eu paguei após dividir o preço total com um amigo


MEU ROTEIRO


Roteiro completo: MISSÃO SUL DA ÁFRICA

Próximo: TRIBO HIMBA


3 comentários :

  1. Ligando para os contatos e falando da indicação hoje... valeu..
    estava preocupado com a minha programação na namibia....rs

    ResponderExcluir
  2. Qual o custo médio do motorista de private tour? Estou tendo um aperto pra planejar minha viagem hehe

    ResponderExcluir

Anterior Proxima Página inicial

Reservas na Asia

trazy.com

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Clique aqui para seguir no

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Leia Também

Notícias de Viagens

Viagens pelo Mundo

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações