Inicio » , , , , » Namíbia: Imagens do passado nas pedras de Twyfelfontein

Namíbia: Imagens do passado nas pedras de Twyfelfontein

Um dos maiores sítios arqueológicos de arte rupestre da África


Depois de visitar a Tribo Himba em Otjikandero e acordar acampado na savana africana, parti cedo de carro, por volta das 07h00, entrando ainda mais no interior da Namíbia, rumo a um dos sítios arqueológicos mais importantes da África que está localizado numa planície quente e seca, ajudando a preservar cerca de 5 mil desenhos rupestres.

Acordar acampado na savana africana não tem preço


COMO CHEGAR?

O sítio arqueológico fica localizado a cerca de 550 km da capital Windhoek. Até a cidade de Khorixas a estrada é asfaltada e boa, mas nos próximos 100 km até Twyfelfontein a estrada é de terra batida e pedras, sendo necessário dirigir com atenção para não derrapar e nem quebrar o carro. Veja o itinerário pelo Google Maps neste link.

Estradas de terra e pedras para chegar no distante sítio arqueológico


Como eu relatei na postagem anterior, o transporte público é quase inexistente na Namíbia e não existem passeios turísticos regulares para aquela região. Antes de chegar na Namíbia, consegui o contato da Gina (Whatsapp: +264812661339), uma brasileira que possui uma agência de turismo chamada Brazuca Travels que me montou um pacote no estilo private tour (motorista + carro) para 2 dias, sendo o primeiro em Otjikandero (Tribo Himba) e o segundo em Twyfelfontein. O valor foi N$ 5.800 (que eu dividi com um amigo). As despesas de combustível, hospedagem do motorista e alimentação seriam pagos à parte. Ela ainda emprestou barracas e saco de dormir. 

Eu fui guiando o motorista pelo melhor itinerário de acordo com o mapa que ganhei da Gina


A paisagem dessa região mescla terrenos planos com montes de pedras erodidas


TWYFELFONTEIN

Ao chegar no sítio arqueológico, existe um estacionamento coberto rusticamente por um teto de palha, algo bem interessante. Seguimos por um caminho a pé até o centro de visitantes onde são pagas as taxas de entrada. Custou N$ 50 por pessoa + N$ 10 de estacionamento (preço de abril de 2017). O valor inclui a presença (obrigatória) de um guia. 

Chegada no sítio de Twyfelfontein


O rústico centro de visitantes


Fomos acompanhados por uma guia credenciada


HISTÓRIA DO LUGAR

A área era desabitada até 1947 quando um homem chamado David Levin procurou um local para montar uma fazenda. Ele descobriu uma nascente para extrair água naquele local, mas aos poucos, começou a duvidar da capacidade daquela fonte em sustentar sua família e seu rebanho por longo tempo. Foi então que um amigo o apelidou de David Twyfelfontein (David da fonte duvidosa, em Afrikaans) de brincadeira. Em 1948, ele comprou a terra e registrou sua fazenda com o nome Twyfelfontein. 

Ruínas da casa da fazenda de David Levin


A guia explicando a história de ocupação daquelas terras


OS DESENHOS DO PASSADO

Nos tempos de redes sociais e apps como Facebook, Instagram, Whatsapp, etc., em que registramos rapidamente qualquer imagem com smatphones e conseguimos mostrar para as pessoas do mundo inteiro com apenas um click no "botão enviar", é difícil imaginar um mundo em que as imagens eram registradas apenas por desenhos feitos na pedra, chamados de petróglifos. Twyfelfontein possui um dos maiores conjuntos de imagens do mundo pré-histórico, que os pesquisadores acreditam ter de 6.000 a 3.000 anos atrás (alguns sugerem que existem gravuras de 10.000 anos). Foi declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO (o primeiro da Namíbia) em 2007.

São cerca de 5 mil figuras encontradas na região


O clima seco de raras chuvas ajudou a manter os desenhos preservados


As rochas em Twyfelfontein são constituídas de arenito coberto por uma pátina dura que aparece marrom ou cinza escuro, chamada de "verniz do deserto". Os petróglifos foram feitos arranhando esse verniz e expondo a rocha mais leve (arenito) por baixo.

As pedras de arenito são cobertas por uma camada dura de "verniz do deserto"


Registro de uma girafa na parte escura da rocha


Os desenhos feitos nas rochas representam animais como girafas, antílopes, rinocerontes, elefantes, avestruzes e até pegadas humanas. As figuras são classificadas em 3 tipos básicos: Imagens icônicas (animais, seres humanos e criaturas folclóricas), Pictogramas (arte geométrica da rocha e fileiras de pontos) e Entalhes para uso diário (cavidades de moedura, jogos de tabuleiro, etc.).

Uma plataforma foi construída para a observação dessa imensa rocha desenhada


Diferentes animais desenhados na rocha


Figura que parece representar uma girafa e um rinoceronte fazendo sexo 😲


As gravuras mais polêmicas e misteriosas representam animais que nunca existiram naquela região, como leões-marinhos, pinguins e flamingos. A explicação é que seus autores seriam caçadores-coletores nômades que tiveram contato com a costa do país (mais de 100 km de distância). 

Desenho que representa um pinguim


Flamingo ou avestruz?


Segundo os pesquisadores, os "desenhistas" seriam caçadores-coletores


Outra figura misteriosa foi batizada de Lion Man (homem-leão). Ela descreve um leão com uma cauda torcida retangular extremamente longa terminando em uma ponta de seis dedos. Acredita-se que essa figura seja relacionada com rituais xamanistas e descreve a transformação de seres humanos em animais. O xamanismo é uma crença de que o mundo visível é permeado por forças ou espíritos invisíveis que afetam a vida dos vivos. 

Alguns consideram que essas imagens faziam parte de rituais xamanistas


O Lion Man representaria a transmutação do homem em animal


A trilha para observar os desenhos segue por entre pedras, sob o sol escaldante e num ambiente muito seco. Por isso, recomendo levar calçados fechados, óculos escuros e água para visitar o sítio. Para quem preferir, também pode incluir o protetor solar nessa lista.

Trilhas que sobem as rochas e passam pelos desenhos rupestres


Do alto se tem uma bela vista da planície exótica e desértica


RETORNO

Depois de explorar as pinturas rupestres no sítio quente e seco, comemos umas bananas que foram compradas no mercado na ida e começamos a voltar para Windhoek. Antes, pedi para o motorista fazer uma parada no meio da estrada para dar uma caminhada por aqueles campos inóspitos. O retorno foi longo, fizemos ainda uma parada na casa do motorista Ino no caminho e conhecemos sua família. A chegada na capital Windhoek aconteceu por volta das 20h00.

Observando a paisagem exótica nos campos isolados da civilização


Os custos deste dia e o total da viagem à Namíbia estão no post O que fazer no país em 5 dias com dicas e custos.


MEU ROTEIRO

Anterior: TRIBO HIMBA

Roteiro completo: MISSÃO SUL DA ÁFRICA

Próximo: SOSSUSVLEI


Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Reservas na Asia

trazy.com

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Clique aqui para seguir no

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Leia Também

Viagens pelo Mundo

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações