Inicio » , , , , » Egito: 4 dias explorando a região de Luxor

Egito: 4 dias explorando a região de Luxor

Antiga Tebas, a capital do Egito na era de ouro dos faraós


A cidade de Luxor como conhecemos hoje surgiu das ruínas de Tebas, a antiga capital do Império "Novo" do Egito antigo (1550-1069 a.C.). A cidade é dividida pelo Rio Nilo e, seguindo as tradições milenares egípcias, a sua margem oriental é dedicada aos vivos, onde onde foram construídos os templos aos deuses, e a margem ocidental dedicada aos mortos, onde se encontra o complexo funerário do Vale dos Reis, dentre outros.

Na margem oeste do Nilo (west bank) está o complexo funerário da antiga Tebas


COMO CHEGAR?

Para chegar em Luxor a partir do Cairo, é preciso vencer a distância de 670 km ao sul do país. São opções de transporte os voos de empresas aéreas, o transporte rodoviário com ônibus regulares e o Sleeping Train desde o Cairo. Como eu estava mais ao sul, na cidade de Aswan, contratei um táxi (450 EGP) que me levou por 213 km, passando na cidade de Esna, até me deixar no centro de Luxor onde me hospedei no histórico Sofitel Winter Palace Luxor com uma promoção de milhas.

Luxor é a cidade base para visitar as maiores atrações do Egito, lógico, depois das pirâmides de Gizé


CHATA E ESPETACULAR AO MESMO TEMPO

A cidade costuma ser referenciada como "o maior museu ao ar livre do mundo", devido às ruínas dos templos de Karnak e Luxor, além da extensa necrópole formada de vários templos e tumbas. Por isso se recebe grande número de turistas por ano. Mas eu daria outro título para Luxor: "a chatolândia"!!!

A maioria das atrações de Luxor estão espalhadas ao ar livre como um museu


As ruínas espalhadas pela cidade são de importância reconhecida, tendo até uma sede da UNESCO


A minha em estadia Luxor foi um divisor de águas na vida no quesito "tolerância com vendedores". Antes de eu viajar para o Egito, ouvi falar que as agências de turismo protegem os turistas do Egito e nessa cidade entendi bem porquê. Ao andar pelas ruas, surgem de todos os lados vários vendedores ou prestadores de serviço de tudo o que se pode imaginar. Eles são muito chatos, muito mesmo, só de escrever isso e lembrar já me estresso! Basta colocar os pés fora que, no mínimo, um condutor de charretes vai te oferecer a corrida (mesmo valor do táxi!), e mesmo que você agradeça e dispense, ele vai insistir e te seguir dizendo: - maybe later, maybe tomorrow? (talvez mais tarde, talvez amanha?). Sem noção!

As charretes (kalesh) estão por todas as partes. Na foto, um ponto de bebedouro público


Mas Luxor pode proporcionar muito mais experiências do que a "tolerância zero" com os chatos. Deixando de lado também a sua parte espetacular que são as ruínas de templos e túmulos, muita coisa legal pode ser vivida nesse choque cultural com uma cidade árabe de interior. A começar pela orla do Rio Nilo que é sempre uma paisagem cinematográfica e possui lojas na parte baixa.

Calçadão na orla do Rio Nilo é uma boa opção de passeio


O efeito amarelado do pôr-do-sol cria um show a parte


As ruas preservam algumas construções coloniais britânicas próximas a margem, já nas ruas mais afastadas, a cidade parece bastante caótica. Entre as mesquitas do islã também podem ser encontradas igrejas cristãs, da religião Copta Ortodoxa. Infelizmente o fanatismo religioso islâmico também é realidade próxima do Egito, sendo necessário que o exército realize a segurança das igrejas.

Construções coloniais misturadas com o mundo árabe


Igreja de Santa Maria com uma guarita militar na frente por segurança


A realidade do terrorismo está próxima e exige cuidados como esse nas ruas


E por falar em ameaça terrorista, dá uma olhada nessa loja bem no centro de Luxor


Pistola exposta na vitrine só de vidro e sem nenhum segurança do lado de fora


Outra coisa curiosa é que os bancos abrem no domingo no Egito e eles funcionam como casa de câmbio. Existe essa opção de câmbio na avenida principal, entre o templo e a estação de trem. Aliás, atrás dessa estação existe um mercado daqueles bem tumultuados.

Muito interessante a mensagem desse outdoor, não acha?


O DESAFIO DE SE ALIMENTAR

Não foi fácil me alimentar em Luxor. Esqueça o feijão com arroz ou massas. A comida dos restaurantes que eu passei era escrita em árabe nos cardápios, sendo impossível identificar o prato. Acabei me tornando um cliente de carteirinha do McDonalds, a única coisa comestível que eu reconheci por ali. Também existe uma franquia da KFC em Luxor, mas é um pouco afastada do Centro.

Observe a decoração com Ronald McDonalds e sua turma na área das pirâmides


Pediram para tirar foto comigo, devo ser uma aberração no local


Mas, seguindo indicações de viajantes que estiveram em Luxor, resolvi arriscar e fazer um tour gastronômico, coisa que não sou apreciador. O Restaurante Sofra já foi destaque como "Top Choice" no Lonely Planet e eu havia lido relatos de que a comida lá é barata e fantástica. Este restaurante de comida regional é praticamente uma casa. Fui levado para um dos cômodos, ligaram o ar condicionado de parede e fui servido lá mesmo, sem outras mesas no ambiente. 

O restaurante fica a cerca de 3 quadras da estação de trem, na Rua Mohamed Farid 90


Sofra é um restaurante que funciona em um velho casarão de estilo residencial


O cardápio é em inglês. Peça o prato principal mais arroz (rice)


NOITE & SHOPPING DE LUXOR

Como a maioria das cidades egípcias, no horário de pico do sol a tarde, ou seja, às 14h, as ruas são desertas, desabitadas e o comércio fechado. Isso acontece por causa do forte calor. A noite, porém, é o oposto acontece. As ruas são agitadas e o comércio abre as portas até cerca de 22h.

Ao contrário do que estamos acostumados no ocidente, na noite a cidade é um agito


A estação de trem de Luxor segue a arquitetura dos templos antigos


As mesquitas são iluminadas à noite, parece decoração de natal!


Percebi que todo dia por volta das 21h, a energia elétrica da cidade era cortada. Provavelmente esse blackout seria para a economia. Mas a escuridão não impedia o comércio de funcionar, aliás, com produtos as vezes bem exóticos.

O comércio abre até 22h e as ruas permanecem movimentadas


Vitrine da moda fashion feminina


E as crianças usam uniformes escolares que mais parecem fardas militares


O QUE FAZER NOS 4 DIAS EM LUXOR?

Apesar dos problemas de assédio aos turistas que eu já citei, quem vai ao Egito não pode deixar de ir a Luxor. A cidade é a principal base para se chegar em diversas atrações turísticas e arqueológicas. Veja abaixo o o meu planejamento dos 4 dias pela região:


DIA 1

No primeiro dia completo em Luxor, comecei explorando o calçadão do rio Nilo onde está o Museu da Mumificação com explicações e exemplos desse processo. Na parte da tarde, enfrentei o sol escaldante para visitar um dos maiores complexos de templos de todo o Egito, o sítio arqueológico de Karnak.

E até para tirar uma foto no museu, o vendedor chato não larga do pé


DIA 2

No segundo dia foi a vez de botar o pé na estrada e seguir para o interior do país em busca do Templo de Abydos, onde estão misteriosos hieróglifos que aparentam UFOS, e o Templo de Dendera, famoso pelo seu zodíaco feito em pedra cujo original está no Louvre, em Paris.

Hieróglifos que aparentam representar objetos voadores no Templo de Abydos


 DIA 3

O terceiro dia foi o mais cheio e agitado, isso porque acordei cedo para explorar todos os pontos de interesse da Necrópole de Tebas que fica na margem oeste no Rio Nilo (west bank) em Luxor, onde estão localizados o Vale dos Reis, o Templo de Hayshepsut, a Casa de Carter, o Ramesseum, Deir El Medina, Colosso de Memon, Medinet Habu e o Vale das Rainhas.

Grandes obras estão espalhadas pela margem oeste do Nilo, como o Colosso de Memon


DIA 4

O quarto dia começou na madrugada. acordei cedo e cruzei o Nilo para decolar num voo de balão pelo Vale dos Reis. Depois, ao longo do dia, foi a vez de visitar o Museu de Luxor com peças raras da arqueologia egípcia que pertenceram a Ramsés II, Akhenaton e tesouros da tumba de Tutankhamon. Para fechar, o grande Templo de Luxor localizado bem no coração da cidade.

As ruínas do Templo de Luxor ficam no centro da cidade


CUSTOS (agosto 2014)

- McDonalds (dia 1) - 77 EGP
- McDonalds (dia 2) - 77 EGP
- McDonalds (dia 3) - 62,50 EGP
- Almoço no Sofra (para 2 pessoas )- 95 EGP + 5 (gorjeta) = 100 EGP
- McDonalds (dia 4) - 51 EGP
- 18 Águas 1,5 L (durante 4 dias) -  90 EGP

Os demais custos em Luxor estão registrados nos posts deste blog específicos de cada atração (acessar nos links).


MEU ROTEIRO

Anterior: ESNA

Roteiro completo: MISSÃO EGITO



Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Reservas na Asia

trazy.com

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Clique aqui para seguir no

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Leia Também

Notícias de Viagens

Viagens pelo Mundo

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações