México: Chichen Itza, eleita uma das novas maravilhas do mundo

O famoso sítio arqueológico com belezas arquitetônicas e mistérios astronômicos


Enfim, era chegada a hora de conhecer a famosa Chichén Itzá durante minhas explorações pelo interior da península de Yucatán. Este sítio é uma das 3 mais visitadas atrações arqueológicas do país (junto com Teotihuacan e Tulum), e uma das mais belas e estruturadas do mundo. Alguns especialistas afirmam que o seu nome vem da junção das palavras maias: chi (boca) + che'en (poço) + itz (bruxo ou feiticeiro) + ha (água). Unindo as palavras: "a boca do poço do bruxo das águas", provavelmente em referência aos cenotes do sítio, aqueles poços de água subterrâneos existentes na região e que eram considerados sagrados pelos maias.  


COMO CHEGAR?

A maioria dos turistas chega através de passeios organizados pelas agências de Cancún que está a 200 km (10 horas de tour), incluindo ônibus vip, almoço, entrada e guia, mas isso não é bem o meu estilo. Cheguei em Chichén Itzá na noite anterior vindo de carro alugado desde Uxmal e me hospedei no Hotel Dolores Alba que fica a apenas 5 Km do sítio arqueológico. Meus planos eram entrar em Chichén Itzá assim que o sítio abrisse, evitando as multidões de turistas vindos de Cancún. Uma dica para quem vai de carro e quer economizar tempo e dinheiro é se hospedar na pequena cidade de Pisté que fica a apenas 2 km do sítio.

A pequena cidade de Pisté possui opções de hospedagem pouco conhecidas


O funcionamento do sítio arqueológico é de 8h-17h (fecha para entrada às 16h). O valor do ingresso em fevereiro de 2016 para estrangeiros era de 232 pesos (167 taxa estatal + 65 taxa federal). Alguns sítios mexicanos cobram uma taxa extra para uso de filmadoras. Pela noite ainda existe um espetáculo de luzes e sons. 

Mapa de Chichén Itzá (clique para ampliar)


EL CASTILLO

Esta pirâmide é a principal atração do sítio e integrante das Novas Sete Maravilhas do Mundo após vencer uma campanha organizada em Portugal denominada New7Wonders, em 2007. A construção é um templo em homenagem ao deus Kukulkan, porém conhecida popularmente de El Castillo (o castelo).

A pirâmide de Kukulkan possui 30 metros de altura


Esculturas de serpente emplumada na base de uma das escadas de El Castillo


Mas esta não é a principal atração a toa, apenas pela beleza de suas formas arquitetônicas, e sim pelos mistérios de sua perfeição matemática e astronômica. Nas primaveras e equinócios de outono, no final da tarde, o canto noroeste da pirâmide lança uma série de sombras triangulares no lado norte, e cria a aparência de uma serpente se contorcendo para baixo da escada, que alguns estudiosos têm sugerido ser uma representação do deus-serpente Kukulkan.

As pirâmides mesoamericanas possuem templos construídos no topo


O acesso ao templo é proibido. Na fachada se vê o rosto do deus da chuva Chaac


O lado sul da pirâmide não está restaurado e é possível ver o estado que ela foi encontrada pelos arqueólogos


TEMPLO DOS GUERREIROS

Outra construção também com acesso limitado é este templo que pode ser visto do pátio norte da pirâmide El Castillo. Possui esse nome por causa de estátuas de supostos guerreiros no topo. Curiosamente, este templo possui uma estrutura bem parecida com o Templo dos Atlantes, em Tula, sendo aquela uma cultura Tolteca e não Maia. A questão é, qual seria a ligação desses templos de culturas distintas?

A forma da construção se assemelha ao Templo B de Tula, a capital tolteca


Pássaros dividem o espaço com a serpente emplumada dos antigos Maias
 No topo da escada há uma estátua Chaac Mool, supostamente relacionada com sacrifícios humanos


O templo é rico em representações de deuses e outros personagens


COLUNADA OESTE

Ao lado do Templo dos Guerreiros, segue uma série de colunas. Curiosamente, o Templo dos Atlantes de Tula também possui uma área de colunas ao lado de seu templo. Qual seria seu significado? 

Diversas colunas estão distribuídas ao lado do Templo dos Guerreiros


EL CARACOL

Antes de continuar explorando as colunas, resolvi seguir direto para outro lugar de importância  no sítio enquanto ainda era cedo e não havia grande quantidade de turistas. Depois de uma caminhada, cheguei no templo chamado El Caracol que possui esse nome por causa de sua escadaria interna em espiral. Também é conhecido como "Observatório" devido ao formato de sua torre circular (normalmente os templos maias são retangulares) e ao alinhamento que suas janelas possuem com o cosmos.

Existem barracas de venda de artesanato e lembranças espalhados pelo sítio


E não é que lembra um observatório astronômico?


O alinhamento das janelas se relaciona com eventos astronômicos como a direção de Vênus e do sol nos equinócios


Relevos de serpente na escada de acesso ao observatório


CONJUNTO DAS MONJAS

Este conjunto de templos possui uma riqueza de esculturas e hieroglifos. É um complexo de edifícios construídos no estilo arquitetônico Puuc. A tradução espanhola do nome se refere ao conjunto como um "convento", mas na verdade teria sido um palácio do governo cercado de templos. O templo mais impressionante seria La Iglesia (A Igreja) decorado com máscaras elaboradas.

O palácio resiste ao templo com bastante dificuldade


Em todo canto do complexo se vê detalhes artísticos sem igual


À esquerda da foto está La Iglesia, com um formato diferente, mais estreito na base, e decorado


A fachada deste edifício repleta de figuras mitológicas já foi colorida no passado


Uma construção menor é o Templo de los Tableros Esculpidos que possui uns relevos interessantes, no formato de quadro, representando cenas de animais, plantas e dois guerreiros que são denominados "Capitães de Guerra". Achados arqueológicos de oferendas sugerem que havia local celebrações de rituais de culto ao fogo.

As cabeças bem trabalhadas da Serpente Kukulkan na frente do Templo de los Tableros Esculpidos


Relevos do templo que parece ter sido local de celebração de rituais de fogo


CASA COLORADA E TEMPLO DEL VENADO

Ao retornar desde o Conjunto das Monjas, esses dois templos chamam pouca atenção do público. O primeiro é a Casa Colorada cujo nome maia é Chichanchob, que parece significar "pequenos buracos". Em uma câmara há hieróglifos esculpidos que mencionam governantes de Chichen Itza e, possivelmente, da cidade vizinha de Ek Balam. 

O nome Casa Colorada se deve a fragmentos vermelhos encontrados no interior do edifício


Sobre o Templo del Venado (Templo do Veado) não se sabe ao certo a origem deste nome. Sugere-se que havia uma figura de um veado em relevo na parede que agora se encontra destruída.

Do Templo del Venado não sobrou muita coisa


O OSSÁRIO

Este templo é bem parecido com El Castillo, num formato de miniatura. Suas 4 escadarias e seus detalhes lembram bastante a principal pirâmide de Chichén Itzá. A diferença de El Castillo é que no centro há uma abertura que leva a uma caverna natural de 12 m abaixo do solo. Foram encontrados vários esqueletos e artefatos em escavações arqueológicas, inicialmente relacionados com sacerdotes. 

Como se fosse miniatura da pirâmide El Castillo


Os arqueólogos de hoje acreditam que a estrutura não era nem um túmulo nem que os personagens enterrados eram sacerdotes


Iguanas são habitantes comuns dessas ruínas arqueológicas


Em frente ao Ossário estão as ruínas chamadas de Plataforma de Vênus, com pequenas colunas e desenhos em alto relevo. Outra característica curiosa é uma laje arredondada na diagonal deste templo.

Grupo de turistas observa os desenhos da Plataforma de Vênus


Suposta representação de um homem pássaro-serpente, ou seja, Kukulkan


GRUPO DAS MIL COLUNAS

Voltei para a área das colunas se segui até o complexo que fica atrás do Templo dos Guerreiros composto por centenas de colunas dispostas em três setores. A parte nordeste abrange uma maravilha da engenharia: um canal que leva toda a água da chuva do complexo de cerca de 40 metros de distância até desaguar num cenote. Também possui uma área denominada de Banhos de Vapor.

O Grupo das Mil Colunas está organizado em três setores


Dentre os setores de colunas está o Templo das Colunas Esculpidas que é uma pequena construção com um corredor interior que leva a um altar Chaac Mool. Há também inúmeras colunas com ricas, esculturas em baixo relevo com cerca de 40 personagens.

O Templo das Colunas Esculpidas é constituído por três templos menores interligados


PLATAFORMA DE VÊNUS

De volta ao pátio norte em frente a El Castillo, existe outro templo com o nome de Plataforma de Vênus. Achei esse templo interessante pelas esculturas e desenhos nas paredes. São animais que parecem simbolizar algo, mas provavelmente os arqueólogos nunca saberão explicar. Foi descoberto ali uma coleção de grandes cones esculpidos em pedra, cuja finalidade ainda é um mistério.

Uma estátua Chaac Mool que devia ficar em cima da plataforma no passado


Desenho que parece ser de um jaguar e uma águia, frente a frente


Um peixe com uma face que faz lembrar um rosto humano


O CENOTE SAGRADO

Um longo caminho leva até esse impressionante local: um cenote de 60 m de diâmetro. A Península de Yucatán é composta de calcário puro, sem rios ou córregos. Os cenotes são buracos naturais que expõem o lençol freático para a superfície. O Cenote Sagrado era um lugar de peregrinação para os antigos povos maias que, supostamente, realizavam sacrifícios durante os períodos de seca. Explorações arqueológicas já acharam no fundo do cenote peças de ouro, jade esculpido, copal, cerâmica, sílex, obsidiana, casca, madeira, borracha, pano, bem como esqueletos de crianças e homens.

O longo caminho até o Cenote Sagrado é recheado de vendedores


São 27 metros do topo até as águas verdes do Cenote Sagrado


TZOMPANTLI

A Plataforma dos crânios mostra a relação com culturas do centro mexicano, como os Astecas. Ao contrário do visto nas terras altas, os crânios foram empalados na vertical em vez de horizontal, como em Tenochtitlan, a capital asteca.

Servia para expôr o crânio de inimigos e talvez também atemorizar os súditos rebeldes


TRIBUNAL DO JOGO DE BOLA

Este é o maior e mais bem preservado tribunal de jogo de bola da antiga mesoamérica, medindo 168 x 70 metros. Em uma extremidade está o templo do Norte, também conhecido como o Templo do Homem Barbado onde existe esculturas em baixo relevo nas paredes internas, incluindo a figura de um homem com pelos faciais (não comum entre os nativos mesoamericanos).

Ao fundo está o templo onde existe uma rara figura de um homem de barba


Este é o maior tribunal de "juego de pelotas" que já foi descoberto


Pedra anel localizada a 9 m acima do piso


Das paredes de 95 m de comprimento se projetam serpentes


Chichén Itzá é um dos sítios mais majestosos e importantes arqueologicamente. Tem muita coisa para ser vista e explorada, sendo um passeio para o dia todo. No meu caso, a visita durou de 8h30 até 13h30. Eu ainda retornaria nesta mesma noite para assistir o Show de Luces y Sonidos (show de luzes e som), mas isso eu vou explicar com mais detalhes no post específico. Agora eu tinha que aproveitar a manhã para explorar outro sítio maia: Ek Balam.

Chichén Itzá foi uma das maiores cidades maias e provavelmente uma das mais misteriosas


MEU ROTEIRO

Anterior: UXMAL

Roteiro completo: MISSÃO MÉXICO

Próximo: EK BALAM


Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Reservas na Asia

trazy.com

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Clique aqui para seguir no

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Leia Também

Notícias de Viagens

Viagens pelo Mundo

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações