Inicio » , , , , » Grécia: A incrível região de Meteora (dia 1)

Grécia: A incrível região de Meteora (dia 1)

Exploração na região dos mosteiros de Kalambaka e sua paisagem de outro mundo


A partir da estação de trem de Larissa, em Atenas, tomei um trem noturno para Kalambaka, a cidade no interior da Grécia que fica próxima à região que concentra vários mosteiros isolados construídos sobre pilares de rocha de arenito. No início do século 17, alguns monges eremitas que procuravam um lugar seguro da ocupação otomana, construíram mais de 20 mosteiros nas pedras então consideradas inacessíveis. Destes, hoje em dia só existem seis: Megalos Meteoros (Grande Meteoro ou Mosteiro da Transfiguração), Varlaam, Ágios Stéphanos (Santo Estevão), Ágia Tríada (Santíssima Trindade), São Nicolau Anapausas e Roussanou (o único feminino). Reservei 2 dias da viagem para conhecer esse lugar incrível.


COMO CHEGAR?

Uma dica para chegar em Kalambaka de maneira bem econômica é comprar passagem de trem com antecedência pelo site www.trainose.gr em que se encontram tarifas de apenas 9 euros, com assentos marcados. Consegui comprar a ida + volta por apenas 18 euros. O trem partiu da Atenas às 23h55, fazendo a troca do trem em Paleofarsalos às 4h40. Depois da confusão para achar o vagão certo em Atenas, ter visto o trem superlotar no chão dos corredores, inclusive de militares gregos viajando para a páscoa no interior, e quase ter descido na estação errada antes de Paleofarsalos (um dos militares foi que ajudou a evitar), enfim cheguei em Kalambaka às 5h30 sob chuva e frio.

Chegada na estação de Kalambaka num madrugada fria


Fiquei hospedado no Hotel King que foi reservado pela internet. Como eu cheguei de madrugada e a reserva só começava às 12h00 (fiz assim para economizar), o recepcionista foi gente boa e me deixou dormir num quartinho nos fundos do hotel.

Minha cama 0800 ao chegar na madrugada


Para visitar Meteora não é preciso gastar dinheiro com as agências de turismo. Uma dica é usar o ônibus da KTEL que faz o traslado da cidade de Kalambaka até os mosteiros. Basta descer em um deles e depois seguir andando para os demais, apreciando a paisagem da região. A rota do ônibus é a seguinte: Estação de ônibus - Hotel Divani - Town Hall Square - Camping Virachos - Kastraki - Camping The Cave - Meteora (o ônibus pára em todos os monastérios). A estação fica perto do centro, basta perguntar na rua.

Os pilares de pedra podem ser vistos do meio da cidade


Os horários do ônibus normalmente são os seguintes:
- De Kalambaka à Meteora (ida): 9h00, 11h00, 13h00 e 17h00
- De Meteora à Kalambaka (volta): 10h00, 12h00, 14h00 e 18h00

Os monastérios de Rossanou e Agios Nikolaos


As opções e preços de passagem são os seguintes:
- Ticket Single (só ida): 1,60 euros
- Return Ticket (ida e volta): 3,00 euros
- All Day Ticket (embarque o dia todo): 5 euros


MONASTÉRIO GRANDE METEORO

É o maior dos mosteiros da região de Meteora e o mais interessante para se conhecer. Foi fundado por São Athanasios e deu início à construção de outros monastérios na região de Meteora que se tornaria sagrada mais tarde. A principal catedral, no pátio central, é embelezada com belos afrescos do século 16, um dos melhores exemplos de arte bizantina grega. Outra atração é a sacristia e as "salas novos mártires" (anteriormente um lar de idosos e hospitalar). No antigo refeitório dos monges existe parte de uma mesa original do século 16 é preservada, com os talheres originais sobre ela.

O Grande Meteoro é o mais bem preservado dos monastérios da região


A torre de onde eram içados os monges quando não havia escadas


Na parede onde foi construída a escada, é possível ver a formação arenosa da rocha


Nem todas as áreas do monastério podem ser visitadas e estão sinalizadas com placas. Os monges não gostam de ser fotografados, teve um que se assustou quando eu fui registrar o momento que ele colocava leite para os gatos beberem. Grande Meteoro possui algumas salas que funcionam como museu, retratando cenas antigas ou expondo pinturas e objetos da história do monastério.

O pátio interior do monastério


Os enigmáticos monges não gostam de ser fotografados


Uma das salas representa a adega e dispensa do monastério


Numa sala quase escondida está o sinistro ossuário


Os horários e dias de visitação de Grande Meteoro podem variar, mas normalmente segue dessa forma: Aberto de 9h00 à 15h00. Fechado às terças-feiras e quartas-feiras. A entrada custa 3 euros.

 Um guerreiro representado num manequim feminino???


Pinturas do museu retratam cenas de santos sendo queimados e aparições nas pedras de Meteora


Em meio às pinturas do museu, algo me chamou bastante a atenção: são desenhos que retratam cenas históricas e mitológicas de Meteora relacionadas a religião ortodoxa. O mais surpreendente é que em umas dessas pinturas, as cenas se misturam com personagens da Segunda Grande Guerra, como soldados nazistas. Algo que é pouco falado na história é a busca de Hitler por informações nos monastérios e templos antigos, como no Egito e no Tibet, que confirmassem a descendência das raças humanas. Será que houve alguma exploração nazista em Meteora? Que mistério este quadro guarda?

 O passado de Meteora está registrado através de imagens, seja mitológica ou real


 Entre cenas de guerra, um soldado nazista aponta uma arma para um anjo acorrentado


Apesar de ter muita coisa interessante, a parte mais bonita do monastério é, sem dúvida, seu pátio que oferece um vista espetacular da cidade de Kalambaka e do monastério vizinho. Por ser mais alto, Grande Meteoro permite uma vista de cima do monastério de Varlaam.

O pátio externo funciona como um mirante da região 


 De longe é possível ver a cidade de Kalambaka


Do outro lado está o monastério Varlaam que pode ser visto de cima


MONASTÉRIO DE VARLAAM

Este é o segundo maior monastério depois de Grande Meteoro. Foi construído entre 1541 e 1542, concluído com a decoração em 1548. Na época que visitei, o monastério se encontrava em obra, prejudicando um pouco o acesso aos mirantes.
.
Ao fundo, o monastério de Varlaam


O acesso às escadas é feito por uma ponte sobre o abismo


Neste monastério é possível ver a torre da antiga rede preservado, que foi utilizado pelos primeiros monges para a sua subida e descida do alto da rocha até a construção das escadas.


O acesso antigamente era feito através de roldadas de içamento até o alto. Hoje existem escadas


Para chegar no alto é preciso enfrentar a mega subida


Chegada nas instalações do monastério


O antigo refeitório foi transformado em um museu, onde os visitantes podem admirar os ícones religiosos pintados que são contemporâneos do período renascentista. É interessante observar o estilo de representação dos personagens religiosos e a simbologia escondida.

Área repleta de pinturas religiosas bem preservadas


Um anjo retratado com simbologias veladas na pintura


A figura de Jesus na visão bizantina. Atenção para o sinal feito com a mão, muito comum em imagens do gênero


Outra atração imperdível é o enorme barril de carvalho do século 16 para armazenamento de água


Das janelas do monastério a visão é espetacular


A única ponte de acesso parece tão frágil vista de cima


Os preços, dias e horários de visitação podem variar de acordo com a época do ano (inverno/verão), mas normalmente segue dessa forma: Aberto de 9h00 às 15h00. Fechado às quintas-feiras e sextas-feiras. A entrada custa 3 euros.

Fotografando um interessante brasão na porta de saída


MIRANTE DE METEORA

Ao sair de Varlaam, seguindo a estrada de asfalto, ao chegar na bifurcação para Roussanou, continue pela esquerda (mesmo caminho para os monastérios Ágios Stephanos e Ágia Tríada) e por apenas algumas centenas de metros se chega no mirante de Meteora. O lugar possui estacionamento para quem vai de carro, mas fui caminhando tranquilamente até lá. É uma das vistas mais bonitas da região.

Deste ponto a visão de Meteora é panorâmica


As "torres" de arenito enfeitam a paisagem


Existe uma trilha que liga o mirante ao monastério de Roussanou


MONASTÉRIO DE ROUSSANOU

É um monastério dedicado à transfiguração e a Santa Barbara. O Mosteiro de Santo Roussanou recebeu este nome, provavelmente, pelo eremita que se estabeleceu sobre a rocha. A principal catedral, celebrando a memória de Santa Barbara, foi fundada no final do século 16 e decorada trinta anos depois. Tornou-se um convento em 1988. Os preços, horários e dias de visitação costumam ser: Aberto de 9h00 às 17h45. Fechado às quartas-feiras. Entrada 3 euros.

A placa sinaliza Roussanou como um convento 


Em comparação com outras rochas onde mosteiros foram construídos, o de Roussanou tem uma elevação mais baixa, o que torna mais acessível. O mosteiro foi inicialmente fundado por monges e sofreu graves danos durante a Segunda Guerra Mundial.

Para chegar no monastério é preciso subir uma escadaria a partir da estrada 


Monastério de Roussanou visto do mirante


Continuei descendo pela estrada de volta para a cidade. A partir de Roussanou, são quase 5 Km até o centro de Kalambaka. O clima agradável e a paisagem exótica fazem valer a pena uma caminhada assim.

Uma caminhada que os turistas não fazem. Não sabem o que estão perdendo!


As colunas de pedra fazem da paisagem uma coisa exótica


MONASTÉRIO DE SÃO NICOLAU DE ANAPAFSAS

O monastério de São Nicolau de Anapafsas fica a apenas 1 km de distância da aldeia de Kastraki. Para o nome Anapafsas existem inúmeras interpretações, sendo 2 delas as mais populares. A primeira é que o nome foi atribuído a um dos benfeitores do mosteiro, enquanto que a segunda explicação tem a ver com sua posição, sendo o primeiro monastério no caminho estrada acima e, provavelmente, serviu de descanso para os peregrinos e outros visitantes antes de seguir. A palavra anapafsys vem do grego e significa descansar, então, São Nicolau de Anapafsas significa, literalmente, São Nicolau do descanso.

Da estrada já se vê o estreito monastério de São Nicolau


O monastério é pequeno devido ao espaço restrito de construção, sendo que ele não possui nem mesmo pátio, logo cresceu na vertical. Na entrada encontra-se a Igreja de Santo Antônio e a cripta onde os códigos e as heranças do mosteiro foram armazenado. Nas paredes, pinturas do século 14 podem ser vistas. Normalmente, os horários e dias de visitação são os seguintes: Aberto de 9h00 às 14h:00. Está fechado às sextas-feiras.

Porta que dá acesso às escadarias do monastério


Ao chegar caminhando na vila de Kastraki, antes de Kalambaka, fiz uma parada para almoçar um souvlaki num boteco à beira da estrada. Com apenas 10 euros dá para comer e tomar um vinho. No dia seguinte as explorações continuam por Meteora e pelos demais monastérios.

Ao chegar na cidade, as colunas de pedra vão ficando para trás


MAPA DE METEORA



MEU ROTEIRO 


Roteiro completo: MISSÃO GRÉCIA

Próximo: METEORA (dia 2)


Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Reservas na Asia

trazy.com

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Clique aqui para seguir no

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Leia Também

Notícias de Viagens

Viagens pelo Mundo

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações