Inicio » » PUNTA BALENA

PUNTA BALENA

A Casapueblo de Vilaró

 

Vista da Casapueblo a partir de Punta Balena
 

Em Punta Balena, cheguei a tempo de contemplar o pôr-do-sol e fotografei de longe a Casapueblo, casa do artista Vilaró que inspirou Vinicius de Moraes, seu amigo pessoal, a compor a música: "Era uma casa muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada...". Punta Balena fica a 15 Km de distância de Punta del Leste, no caminho de retorno de Piriápolis.
 



Vista de Punta del Leste a partir de Punta Balena

Assisti o pôr-do-sol de um mirante próximo a Casapueblo e não entrei na casa. A entrada era 150 pesos e eu já havia ouvido a opinião de outros mochileiros de não valia muito a pena. O museu é pequeno e tudo lá dentro é muito caro. Além disso, o mais bonito é fotografar de longe.






O sol se pondo no horizonte e o contraste da luz nas paredes irregulares da exótica casa formam o grande show. Um quadrinho imperdível de se marcar para quem viaja nesta região.




 
 

Com a missão desse dia cumprida, carro abastecido e entregue, pude embarcar até Montevidéu. 


CHEGANDO DE NOITE EM MONTEVIDÉU 

Cerca de 2 horas depois e 145 Km rodados, cheguei no Terminal Tres Cruces e procurei algo ali perto para me hospedar. Eu já havia pesquisado e fiquei no Ibirapita Hostel que fica em uma quadra de distância da saída do Terminal, seguindo pela direita. Achei melhor se hospedar por ali pois, a partir do terminal, se pode deslocar para todo canto de Montevidéu por ônibus coletivo. 

GASTOS DO DIA 

Combustível - 500 pesos
Passagem para Montevidéu - 204 pesos 

MEU ROTEIRO 

Anterior: PIRIÁPOLIS 

Roteiro completo: MISSÃO URUGUAI / ARGENTINA

Próximo: MONTEVIDÉU (primeiro dia) 

Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Reservas na Asia

trazy.com

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Clique aqui para seguir no

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Leia Também

Notícias de Viagens

Viagens pelo Mundo

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações