Panamá: A Cidade do Panamá

Influências do American Way of Life




Não é necessário o Visto para brasileiros ingressarem no território do Panamá. O meu vôo fez conexão em Miami, eu apresentei meu passaporte com visto americano, e isso facilitou ainda mais a entrada no Panamá. Como a cidade sofreu grande influência americana devido a ocupação doa EUA em 1989 que durou até 1999 para depor o ditador Manuel Noriega.

A história dessa invasão ao Panamá é meio obscura, pois Noriega chegou a atuar como agente da CIA certo tempo, recebendo, inclusive, treinamento nos EUA. Tempos depois assumiu o controle absoluto do Panamá, estabelecendo um regime ditatorial e foi acusado pelos EUA como tendo envolvimento com o tráfico de drogas para o solo americano. Então, George Bush ordenou a invasão ao Panamá em 1989 que resultou em 3.000 mortes, até 1990, quando Manual Noriega se entregou e foi julgado a 30 anos de prisão nos EUA.

Hoje em dia, é evidente a influência americana no país. A moeda que circula é o dólar americano, exceto as moedas, em que circulam o Balboa (moeda panamenha) e os cents americanos lado a lado.

A cidade do Panamá é a capital e a maior cidade da república do Panamá. Situa-se no centro do país e tem uma população de 1.072.000 habitantes. Com o crescimento alavancado pelo capitalismo americano, a cidade precisou expandir-se para os céus, causando assim a construção dos edifícios mais altos de América Latina. Inclusive, essa característica criou o apelido de “Dubai Latina”.

 Aeroporto da Cidade do Panamá


Boas vindas ao país na saída do aeroporto


Monumento a Balboa, o herói nacional



Abaixo, estão alguns links de relatos da minha passagem pela capital panamenha.




Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Reservas na Asia

trazy.com

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Clique aqui para seguir no

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Leia Também

Viagens pelo Mundo

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações